Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Lisbon History

Share Lisbon With The World

My Lisbon History

Share Lisbon With The World

Turistas invadem Lisboa e deixam hotéis quase esgotados

Unidades hoteleiras de Lisboa esperam melhores performances do que no ano passado. Há uma quebra nos turistas brasileiros que visitam a capital, mas mantém-se o interesse de espanhóis, franceses, ingleses e americanos.

 

pousada-lisboa-view-635676004126976503.jpg

Espanhóis, franceses, ingleses, alemães, americanos. Vão ser milhares os turistas que nos próximos dias vão encher os hotéis e o alojamento local da cidade de Lisboa. As unidades hoteleiras esperam taxas de ocupação superiores às do ano passado e, em alguns casos, contam mesmo ficar lotadas. Este crescimento, que chega aos 30% em alguns hotéis, é resultado da subida gradual do turismo em Lisboa e também uma consequência da instabilidade que se vive em zonas que tradicionalmente eram mais procuradas para as férias da Páscoa.

 

Nos cinco hotéis do grupo Vila Galé na região de Lisboa (Junqueira, Paço de Arcos, Estoril, Cascais e Ericeira), as perspetivas são bastante positivas. "No período da Páscoa, sobretudo entre sexta-feira e domingo, estas unidades estarão praticamente esgotadas. Em particular os hotéis da Ericeira, Cascais e Estoril estão já com uma taxa de ocupação acima dos 90%", adianta Gonçalo Rebelo de Almeida, administrador do grupo. "Na generalidade dos hotéis Vila Galé em Lisboa, as taxas de ocupação são superiores às registadas no ano passado, numa variação positiva de quase 10%." No total, falamos de 896 quartos, que têm, em média, capacidade para duas pessoas.

 

No Grupo Tivoli confirma-se a tendência de crescimento. "A perspetiva para a Páscoa nos nossos hotéis de Lisboa (Tivoli Lisboa, Tivoli Jardim e Tivoli Oriente) é bastante boa. Neste momento as reservas estão entre os 10% e os 30% acima de igual período do ano passado", diz Rui de Sousa, diretor regional de operações Lisboa, Sintra e Coimbra. Embora a Páscoa seja mais cedo do que o habitual, o responsável prevê ocupações "próximas dos 100%".

 

Com 90 quartos, a Pousada de Lisboa registava ontem uma taxa de ocupação a rondar os 85%. Miguel Velez, administrador do Grupo Pestana Pousadas, estima que chegue aos 90%. "É significativamente alta, mas está de acordo com as expectativas", afirma. Quem mais procura a nova pousada da Praça do Comércio são alemães, portugueses e franceses. Já na Pousada de Queluz, a ocupação deverá chegar aos 75% ou 80%.

 

Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo Português, confirma que "Lisboa não está cheia para a Páscoa, mas falamos em ocupações mínimas de 80%". Esperam-se mais turistas do que no ano passado, mas "é um aumento que tem sido gradual, uniforme". Regista-se uma quebra na procura por parte dos brasileiros "devido à crise que o país atravessa, mas os voos diários para os EUA vão compensar essa perda".

 

Contactada pelo DN, a Ryanair avança que os clientes que reservavam férias para o norte de África, Médio Oriente e Turquia optam agora por outros destinos. "Temos notado um aumento nas reservas para Espanha, Portugal, Itália e Grécia", diz fonte oficial da companhia aérea. Já o site de reservas Trivago indica Lisboa como o destino português mais procurado pelos estrangeiros. "Além de termos o aeroporto colado à cidade, temos uma cidade simpática, um ambiente ótimo, muita segurança e um clima agradável. Temos todas as condições", justifica Francisco Calheiros.

 

De acordo com a informação disponibilizada no site do Porto de Lisboa, passam pela capital quatro navios de cruzeiro esta semana. "São importantíssimos. Animam bastante a restauração, mas não têm interferência na hotelaria", lembra o presidente da CTP.

 

Notícia Diário de Notícias : http://www.dn.pt/sociedade/interior/pascoa-turistas-invadem-lisboa-e-deixam-hoteis-quase-esgotados-5088874.html

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Lisboa em 42º lugar no 'ranking' de qualidade de vida em 230 cidades

Lisboa é a 42ª cidade com melhor qualidade de vida, numa lista de 230 cidades publicada anualmente pela consultora Mercer e divulgada esta segunda-feira, que uma vez mais é dominada por cidades europeias com Viena, na Áustria, à cabeça.

 

sol-de-lisboa.jpg

 

 

O 18º estudo da Mercer "Quality of Living 2016" analisa a qualidade de vida em 230 cidades, de acordo com 39 parâmetros, que refletem o ambiente social, político, económico e sociocultural, fatores médico-sanitários, escolas e educação, serviços públicos e de transportes, bens de consumo disponíveis, habitação e fatores naturais.

 

De acordo com a avaliação deste ano, Lisboa desceu um lugar em relação a 2015 e é a 42ª cidade com melhor qualidade de vida, estando em 59º lugar no que respeita ao nível de segurança pessoal, baseado em dados como a estabilidade interna, a criminalidade e a aplicação da lei local.

 

Sete das 10 cidades na lista com melhor qualidade de vida do mundo são europeias.

 

Tal como nos últimos sete anos, Viena continua a ser a cidade com maior nível de qualidade de vida a nível mundial, seguida de Zurique (Suíça), Auckland (Nova Zelândia), as alemãs Munique, Dusseldorf e Frankfurt, Genebra (Suíça) e Copenhaga (Dinamarca).

 

As cidades pior posicionadas em relação à qualidade de vida na Europa são Kiev (176º, Ucrânia), Tirana (179º, Albânia) e Minsk (190º, Bielorrússia).

 

Quanto ao índice de segurança, a cidade do Luxemburgo é considerada a cidade mais segura, seguida, 'ex aequo', por Berna, Helsínquia e Zurique.

 

"Algumas capitais-chave [europeias] encontram-se em níveis algo baixos do 'ranking' [de segurança], já que muitas sofreram ataques terroristas ou passaram por instabilidades sociais nos últimos anos", referiu a consultora, numa análise aos dados recolhidos, exemplificando que Paris está apenas em 71º, Londres em 72º, Madrid em 84º e Atenas em 124º.

 

Kiev (189º) e São Petersburgo (197º) e Moscovo (206º), ambas na Rússia, encontram-se nos níveis mais baixos do ranking de segurança pessoal europeu.

 

A cidade com melhor posição na América do Norte é Vancouver (5º lugar), no Canadá, enquanto nos EUA, São Francisco (28º) encontra-se na posição mais alta, seguindo-se Boston (34º), Honolulu (35º), Chicago (43º) e Nova Iorque (44º).

 

As cidades mexicanas de Monterrey (108º) e Cidade do México (127º lugar) são as piores classificadas quanto à qualidade de vida no norte da América.

 

Na América do Sul, Montevideo (78º), Buenos Aires (93º) e Santiago (94º) permanecem as mais bem cotadas no 'ranking' de qualidade de vida, enquanto Bogotá (130º), La Paz (156º) e Caracas (185º) são as piores.

 

Singapura é a cidade asiática melhor classificada, encontrando-se no 26º lugar, enquanto Daca (214º, Bangladesh) é a pior.

 

Dubai (75º) continua a ser uma das cidades mais bem cotadas em termos de qualidade de vida em África e no Médio Oriente, seguida de Abu Dhabi (81º, Emirados Árabes) e Port Louis (83º, Ilhas Maurícias).

 

Poucas cidades desta região se encontram no top 100 em termos de segurança pessoal, o que a consultora explica por ser "a geopolítica regional altamente volátil e caracterizada por preocupações de segurança, tumultos políticos e um elevado risco de terrorismo".

 

Abu Dhabi encontra-se no nível mais alto do ranking de segurança (23º lugar), seguida de Muscat (29º, Omã), Dubai (40º) e Port-Louis (59º).

 

Bagdad, no Iraque, é a cidade mais insegura do mundo (230º lugar), seguida por Damasco (229º), na Síria.

 

Notícia - Diário de Notícias : http://www.dn.pt/portugal/interior/lisboa-em-42o-lugar-no-ranking-de-qualidade-de-vida-em-230-cidades-5042980.html

 

Fotografia : http://www.vitor360.com/2015/07/31/lisboa-duas-pessoas-e-um-dia/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Vem aí a Portugal Restaurant Week - Menus a 20€

 Mais de 100 restaurantes em todo o país entram em saldos a partir de 18 de fevereiro. O motivo? Mais uma edição da Portugal Restaurant Week. Saiba quais são os restaurantes que se estreiam no evento.

 

2ui7D9Mvi5hbPylNZepUD4hC6vVwlvl0dZ5LIDZRvVA.jpg

 

Em 2016, a simples notícia de mais uma edição da Restaurant Week — evento que disponibiliza menus a 20€/pessoa em restaurantes que habitualmente cobram bem acima disso — já não será grande notícia, passe a redundância, para muita gente. Não o será, certamente, para os leitores interessados nos assuntos do garfo e faca e menos ainda para os mais atentos ao Observador, que já reportou edições anteriores, locais e nacionais, aqui, aqui e aqui.

 

Portanto, mais que voltar a dissertar sobre o conceito do evento e respetiva vertente solidária, que é estimável, para dar uma dimensão minimamente respeitável a este artigo, será mais proveitoso focar a prosa nas novidades desta que é a quarta edição que decorre, ao mesmo tempo, em todo o país (a Restaurant Week começou por surgir apenas a nível local, em 2009, e as edições nacionais só começaram em 2013).

 

E escrever sobre as novidades é escrever, sobretudo, sobre os restaurantes que vão aderir pela primeira vez ao evento. A lista final ainda não está confirmada — a organização diz que à medida que as parcerias vão sendo fechadas, o site de reservas vai sendo atualizado — mas já é possível avançar alguns restaurantes que se estreiam numa Restaurant Week. São eles:

 

  • Insólito – Restaurante dos mesmos responsáveis do The Decadente, com uma cozinha criativa e vista, a partir do terraço, para meia Lisboa.
  • Chefe Cordeiro – A casa lisboeta do transmontano José Cordeiro, chef com currículo vasto e inúmeras aparências televisivas, que gosta de honrar as suas raízes à mesa.
  • Duplex – Ideal para quem queira prolongar a festa depois do jantar, já que junta um bar, no piso térreo, ao restaurante liderado pelo chef Nuno Bergonse.
  • Reserva by Olivier – Na antiga casa de Maria Amália Vaz de Carvalho, em Cascais, servem-se receitas clássicas dos vários restaurantes de Olivier.
  • Galeria do Largo – Ocupa o espaço da antiga papelaria Araújo & Sobrinho, no Porto. Sob batuta do chef Manuel Ferreira, reinventam-se fórmulas conhecidas do receituário nacional.
  • Gull – O destino a considerar pelos apreciadores de sushi, no Porto. A vista para o Douro, a partir do Cais das Pedras, é um bónus. E que bónus.
  • Henrique Leis – Um reforço de peso para o evento. Trata-se de um dos restaurantes algarvios com Estrela Michelin há mais anos. Henrique Leis, o chef, é um brasileiro com escola francesa de alta cozinha.
  • Design Centre Nini Andrade Silva – Cozinha com consultoria de Miguel Laffan (L’And) num espaço com vista sobre a baía do Funchal, obviamente decorado pela famosa designer de interiores madeirense que lhe dá o nome.

 

O quê? Portugal Restaurant Week
Quando? de 18 de fevereiro a 6 de março (entre 18 e 24 de fevereiro apenas disponível para clientes Millennium BCP)
Onde? Em mais de 100 restaurantes em todo o país
Quanto? Cada menu custa 20€, sem bebidas incluídas
Reservas? Pelo telefone 21 011 7373 (todos os dias, das 11h00 às 21h30) ou pelos sites restaurantweek.pt, ou através do parceiro oficialthefork.pt

 

Notícia Observador : http://observador.pt/2016/02/17/portugal-restaurant-week-fregues-olho-menu-20-euros/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Bicicletas Partilhadas de Lisboa - Passe anual custará 36 euros

 O passe anual para andar nas bicicletas partilhadas de Lisboa, a aguardar a repetição do concurso, deverá custar 36 euros, enquanto um bilhete diário ficará por dez euros, de acordo com o plano financeiro, que prevê um total de receitas de 10 milhões de euros para um projeto estimado em 28,9 milhões de euros em nove anos.

 

 De acordo com o Jornal de Negócios, que cita o administrador da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) João Dias, o preço anual para aceder ao Sistema de Bicicletas Públicas Partilhadas (SBPP) de Lisboa é igual ao custo mensal do passe Navegante para andar no Metro e na Carris.

 

Bicicleta-em-Lisboa.jpg

 

 

 

“Isto (preço) foi conversado com a Câmara de Lisboa, e tivemos por parte do executivo e da tutela uma primeira pré-validação. Não está completamente fechado, mas acreditamos que é por aqui”, disse o administrador, acrescentando:”A Câmara achou bem que um passe anual custe o mesmo que um passe mensal dos transportes públicos. É um valor razoável, porque também querem que a rede tenha adesão”.

 

 O sistema irá ter 1400 bicicletas distribuídas por 140 estações. Os velocípedes poderão ter auxílio eléctrico (híbridas), ser exclusivamente a pedal ou incluir os dois tipos, dependendo das propostas apresentadas pelos concorrentes.

 

 O concurso realizado no final do ano passado para selecionar a empresa que vai instalar o sistema teve que ser repetido porque nenhum dos 11 concorrentes cumpriu a totalidade dos requisitos, devendo um novo concurso ser lançado ainda até ao final deste mês de Fevereiro

 

Notícia : http://pedais.pt/bicicletas-partilhadas-de-lisboa-passe-anual-custara-36-euros/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Lisboa Passport vai "carimbar" património na memória dos turistas

 Destinado a quem visita a capital portuguesa, funciona como um diário de viagem para descobrir e recordar a cidade, permitindo colecionar carimbos nas atrações turistas

7dc5fa_09476fde1079cc4434b6dfa8d7680323.jpg

 Destinado a quem visita a capital portuguesa, o Lisboa Passport funciona como um diário de viagem para descobrir e recordar a cidade, permitindo colecionar carimbos nas atrações turistas, desde museus a monumentos, e proporcionando descontos.

Com as dimensões de um diário de bolso, o Lisboa Passport pretende ser “uma boa recordação e uma recordação dinâmica, em que as pessoas escrevam, carimbem, colem coisas” sobre as experiências vividas na capital, disse esta segunda-feira à agência Lusa o responsável pelo projeto, Nuno Martins.

Nas 32 páginas deste diário de viagem estão retratados “eventos importantes da história da cidade”, mas também existe um mapa de locais emblemáticos a visitar, em que é possível arrecadar carimbos, funcionando como um ‘rally paper’, numa forma de “turismo por objetivos”, explicou.

A ideia começou a ser desenvolvida em 2012, quando o informático Nuno Martins, de 45 anos, foi dispensado da empresa onde trabalhava há cerca de uma década, em Lisboa, e decidiu fazer uma viagem de "interrail" pela Europa, durante um mês, “para refletir o rumo que queria seguir à vida”, contou.

Após a viagem, o engenheiro informático sentiu a falta de “um registo de tudo o que tinha feito”, uma recordação de todos os sítios que tinha visitado.

Inspirado no passaporte da Expo’98, que permitia aos visitantes da Exposição Mundial de Lisboa de 1998 recolherem carimbos em cada pavilhão que visitavam, decidiu “adaptar a ideia à cidade inteira”.

“Passámos meses a investigar o que é podia ser o Lisboa Passport, porque não queríamos que fosse um livro cheio de páginas brancas para as pessoas carimbarem”, referiu o responsável pelo projeto, explicando que quem folheia este diário “está a navegar pela história da cidade” com padrões alusivos a símbolos tradicionais como a sardinha e o fado.

Através do programa Lisboa Empreende da Câmara Municipal, o informático conseguiu ter apoio institucional para avançar. Em junho de 2015, o Lisboa Passport foi lançado no mercado, “inicialmente com 18 entidades, desde museus e monumentos até lojas de rua situadas em locais que as pessoas visitam” e onde é possível receber um carimbo.

“Caprichamos muito a fazer cada carimbo”, disse Nuno Martins, considerando que cada um é “uma pequena peça de arte”.

O Castelo de São Jorge, o bairro de Alfama, a rua Augusta, o elétrico 28, o Rossio, o Chiado, as Ruínas do Convento da Igreja do Carmo, o Bairro Alto, a Avenida da Liberdade, o Príncipe Real, o Museu Calouste Gulbenkian, o Museu do Oriente, o Padrão dos Descobrimentos, o Museu Coleção Berardo, a zona de Belém, o Museu do Fado, a Sé de Lisboa, os Pastéis de Belém e o Museu do Campo Pequeno são os locais onde é possível receber um carimbo, mas o projeto vai integrar, em breve, mais sítios da cidade de Lisboa, esclareceu.

De acordo com Nuno Martins, este produto foi “feito muito a pensar nos turistas, estrangeiros e portugueses, todos os que não vivem em Lisboa e querem visitar” a cidade, esclarecendo que também pode ajudar os lisboetas a olharem de forma diferente para o património existente.

Este diário de viagem tem suscitado o interesse de escolas e de campos de férias, que acreditam que a dinâmica do colecionismo de carimbos pode estimular a aprendizagem das crianças, mas também existem “universidades a comprar para os estudantes de intercâmbio”.

O Lisboa Passport tem o custo de seis euros e proporciona descontos em cerca de 30 entidades, desde restaurantes a empresas de "tuk tuk".

“Estamos a vender algumas centenas por mês”, afirmou o responsável, frisando que o objetivo é “vender muito mais”, uma vez que o produto só vai ser apresentado oficialmente à imprensa em fevereiro deste ano.

 

Notícia : http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/turismo/lisboa-passport-vai-carimbar-patrimonio-na-memoria-dos-turistas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Lisboa foi a 2.ª cidade mais procurada… pelos portugueses

3.jpg

O motor de busca momondo elaborou um ranking com os destinos mais procurados pelos portugueses no primeiro dia do ano. A cidade de Lisboa foi a segunda cidade mais procurada pelos residentes em Portugal.


Da tabela constam também três outros destinos nacionais. O top é liderado por Londres e inclui ainda Paris (3.ª posição), Barcelona (4.ª posição), Madeira (5.ª posição), Porto (6.ª posição), Nova Iorque (7.ª posição), Ponta Delgada (8.ª posição), Amesterdão (9.ª posição) e Roma (10.ª posição).

Sobre o destaque dado a Lisboa, Miguel Gallo, Head of Markets da momondo, comenta que esta posição “resulta provavelmente do elevado número de portugueses que vivem no estrangeiro e que começam a planear o seu regresso a casa logo desde o início do ano”.

Quanto ao crescimento dos destinos, em termos de pesquisas nacionais, entre 2014 e 2015, as pesquisas por Lisboa cresceram 101% e Londres e Paris registaram ambos um crescimento de 73%. Ainda assim, Amesterdão, Barcelona e Porto foram aqueles que mais cresceram (336%, 129% e 118%, respetivamente).

 

Notícia : http://www.welcome.com.pt/operadores-agentes/5961-lisboa-foi-a-2-cidade-mais-procurada-pelos-portugueses.html

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Destino português preferido dos turistas europeus foi Lisboa

509048.png

 

Lisboa foi o destino em Portugal mais procurado pelos turistas espanhóis, franceses, britânicos, alemães, italianos, holandeses e russos em 2015, de acordo com a Jetcost, o motor de pesquisa de voos e hotéis.

“Não se trata de nenhuma surpresa que a capital portuguesa seja o destino mais procurado pelos europeus, pois não só é a cidade que tem mais ligações com outras cidades europeias, como também as suas atrações são enormes. É uma cidade com muito encanto, monumentos magníficos, uma gastronomia excelente e os seus cidadãos são muito acolhedores com todo o tipo de turistas. Nesse aspecto, todos os europeus coincidem, desde espanhóis a russos”, salientou Antonie Michel, co-fundador da Jetcost.

O Porto foi a segunda escolha dos espanhóis, franceses, alemães, italianos e russos, enquanto para os holandeses foi a terceira e para os britânicos a quarta.

O comunicado divulgado esta quinta-feira destaca que a cidade do Porto "teve um crescimento do turismo exterior devido às companhias aéreas low-cost, associado à fama dos seus vinhos que, ano após ano, surgem entre os melhores do mundo, de acordo com as revistas especializadas".

Faro foi a segunda cidade mais procurada pelos britânicos e holandeses e a  terceira escolha dos espanhóis, franceses e alemães . 

A ilha da Madeira foi a terceira escolha dos britânicos, italianos e russo, enquanto que para os espanhóis, franceses, alemães e holandeses foi a quarta.

Segundo os dados do Turismo de Portugal, Portugal foi visitado por quase 10 milhões de turistas até Novembro de 2015 (mais 9,7% do que em 2014), que se traduiziram em 33 milhões de dormidas (mais 7,1%).

 

Notícia : http://sol.pt/noticia/493792/Destino-portugu-s-preferido-dos-turistas-europeus-foi-Lisboa

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Vem aí o Palácio Chiado

A antiga casa do Barão de Quintela abre ao público em breve sob o nome Palácio Chiado. Lá dentro estarão 7 chefs e respetivos conceitos, do sushi aos hambúrgueres, e cerca de 250 lugares sentados.

 

Foi casa do Barão de Quintela e descendentes, alojou o general Junot durante a primeira invasão francesa e acolheu, durante vários anos, o Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing, vulgo IADE. Depois de um período de inatividade, a partir de meados de fevereiro escreve-se um novo capítulo na história do Palácio Quintela, na Rua do Alecrim. O espaço passará a designar-se Palácio Chiado e receberá todos os que queiram não só alegrar a vista — afinal não é todos os dias que se pode contemplar o interior de uma casa nobre setecentista — mas também o estômago, graças aos 7 conceitos gastronómicos que ocuparão diferentes áreas dos dois pisos do edifício.

 O projeto é de três sócios: os irmãos Gustavo e António Paulo Duarte e Duarte Cardoso Pinto. Esteve em preparação durante mais de um ano e meio e a responsável de marketing e comunicação do espaço, Mariana Rocha e Silva, explica que, se tudo correr dentro do previsto, as enormes portas de madeira abrirão ao público em finais de fevereiro. A que é que darão acesso? Muita coisa. Vamos por partes.

 

Apesar de ocupar uma área considerável da Rua do Alecrim, o Palácioterá apenas uma entrada, pelo número 70. No átrio, que é muitíssimo espaçoso, encontrar-se-á o bar que servirá todo o piso térreo, bem como uma zona de mesas, sofás e pufes que tanto podem acolher quem queira almoçar ou jantar como quem pretender apenas beber um copo entre ou pós refeições.

 Ao fundo, na primeira sala, estarão instalados os primeiros quatro conceitos que, segundo Mariana, “terão um ticket médio de cerca de 15€ por pessoa”. A responsável explica que a intenção “foi encontrar marcas e projetos com experiência anterior nesta área mas que estivessem disponíveis para desenvolver um conceito próprio” para o Palácio Chiado. Daí que todas as designações tenham o sufixo “by” seguido da casa-mãe. De referir ainda que dois dos espaços deste piso (Páteo no Palácio e Local Chiado) terão alguns lugares ao balcão, o que permitirá, com sorte, assistir a momentos deshowcooking. A saber:

Meat Bar by Atalho – Do grupo Atalho, responsável pelo Atalho Real, na Embaixada, e por quiosques nos Mercados de Algés e Campo de Ourique, esperem-se bifes (e não só) de diferentes cortes. A ideia aqui será, revela Mariana, “servirem carne mais premium” que noutros espaços do grupo.

 

Páteo no Palácio by Páteo do Petisco –  Depois de dois espaços bem-sucedidos em Cascais, esta será a primeira aventura da marca Páteo do Petisco em Lisboa. Não deverão faltar as diversas recriações do receituário tradicional que lhes granjearam boa fama junto de cascalenses e não só.

Burgers and Feikes by U-Try – A hamburgueria do palácio terá a chancela U-Try, responsável por dois espaços em Lisboa, no Estádio Universitário e em Campolide. Aqui não servirão apenas os típicos hambúrgueres mas também os chamados ‘feikes’, criações que, segundo os próprios, são “uma espécie de hambúrguer mas não tem nada a ver”.

 

Local Chiado by Local – Your Healthy Kitchen – Um conceito desenvolvido por Maria Gray, o Local – Your Healthy Kitchen nasceu em Cascais, no Mercado da Vila, e vai ser o sítio ideal para quem tem restrições alimentares ou pretende fazer uma refeição mais equilibrada, seja por convicção, necessidade ou para poder comer uma sobremesa mais calórica sem ficar com remorsos.

 

À semelhança do que acontece noutros espaços do género, depois de registados os pedidos, será entregue um pager aos clientes para que estes possam ser avisados na altura de os levantar. O bar terá direito a serviço de mesa para evitar malabarismos entre tabuleiros e copos. Já o sistema de pagamento ainda não está definido. Ainda no piso de baixo, referência para um pequeno pátio para fumadores, além de bengaleiro.

Nas escadas de acesso ao primeiro piso, destaque para um belíssimo vitral, completamente recuperado, que dá o mote para o que vem de seguida: divisões amplas, férteis em frescos. Mariana Rocha e Silva refere que “a recuperação dos espaços interiores do palácio [que é Imóvel de Interesse Público] foi uma das prioridades” dos responsáveis pelo projeto.

Neste piso superior existe, em primeiro lugar, uma outra sala que tanto pode ser ocupada pelos visitantes como alugada para grupos ou eventos de empresa. Depois, lugar a mais três conceitos, cada um com o seu espaço próprio. São eles:

 

Espumantaria do Mar by Espumantaria do Cais – Resulta da união entre o chef Vítor Hugo Alves (Bistro 100 Maneiras) e os responsáveis da Espumantaria do Cais. Vem juntar-se ao segundo espaço do grupo, aberto recentemente perto do Mercado do Chão do Loureiro, e vai centrar-se, como o nome indica, nos sabores marítimos, do ceviche ao marisco. Os cocktails de espumante também não vão faltar.

Delisbon by Charcutaria LisboaProjeto que começou no Mercado de Campo de Ourique e no ano passado ocupou o antigo quiosque da pizzaria Maritaca na Avenida da Liberdade. De destacar a parceria, para a definição da carta, com um peso-pesado da gastronomia nacional, o chef Vítor Sobral. Nesta sala os 22 lugares vão estar dispostos em barra, com bancos altos.

Renaissance by Sushic – O famoso restaurante de sushi de Almada abre, finalmente, na capital, depois de uma primeira experiência na margem norte, no Mercado de Algés. Será o espaço de restauração mais convencional de todo o complexo, o único que aceita reservas, com duas salas e um total de 70 lugares.

 

Nome: Palácio Chiado
Morada: Rua do Alecrim, 70 (Chiado), Lisboa
Site: www.palaciochiado.pt
Horário: De domingo a quarta, das 12h às 00h. De quinta a sábado das 12h às 02h.
Data de abertura prevista: Finais de fevereiro

 

Notícia : http://observador.pt/2016/01/19/sushi-petiscos-tectos-trabalhados-vem-ai-palacio-do-chiado/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Uber vai oferecer viagens gratuitas a quem for votar

 A Uber vai transportar de forma gratuita, até ao local de voto, os eleitores dos municípios de Lisboa e Porto. A campanha decorre durante o período em que as urnas estão abertas, entre as 8h00 e as 19h. 

"A escolha é um direito elementar, e o voto no dia de eleições é uma decisão importante. Queremos ajudar a que se concentre na sua escolha, e não no transporte para a mesa de voto", lê-se no comunicado enviado este sábado para as redacções pela Uber.

Uber-4.jpg

 "Neste dia de eleições presidenciais – 24 de Janeiro de 2016 – entre as 8h00 e as 19h00, todos os utilizadores que votam nos municípios de Lisboa e do Porto poderão usufruir de uma viagem gratuita para exercer o seu direito de voto", acrescenta.

 No próximo domingo, 24 de Janeiro, os portugueses vão às urnas para escolherem o próximo Presidente a República, que irá substituir Aníbal Cavaco Silva em Belém.

 Maria de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa, Sampaio da Nóvoa, Marisa Matias, Edgar Silva, Paulo de Morais, Henrique Neto, Cândido Ferreira, Jorge Sequeira e Vitorino Silva (Tino de Rans) são os dez candidatos na corrida das presidenciais.

uberlisbon2.jpg

 A Uber explica como usufruir da viagem gratuita: 

Introduza o código PRESIDENCIAIS2016 no separador de “Promoções” da sua aplicação;

De seguida, dentro do período de eleições, ser-lhe-á apresentada a opção PRESIDENCIAIS para viajar (poderá levar alguns minutos);

Peça uma viagem nesta opção, tendo como ponto de partida ou de destino a sua mesa de voto.

Não é utilizador Uber?
Faça download da aplicação (disponível para iOS, Android e Windows Phone) e crie a sua conta

Uber.jpg

https://www.uber.com/invite/ubermylisbonhistory

 

Notícia : http://economico.sapo.pt/noticias/uber-vai-oferecer-viagens-gratuitas-a-quem-for-votar_240573.html

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...